sábado, 26 de fevereiro de 2011

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Nena Daconte - Marta




Marta

Marta tem olhos verdes e um sol marcado na cabeça
Com o seu conversível branco corre a cidade.
Crescem flores por onde ela pisa, é a rainha do local.

Gostava de voar, gostava de jogar, para desconectar-se de si.
Faz tempo que voou sem se despedir de mim.

Mas Marta já não diz nada, pois não há nada mais que possa dizer.
Levou minhas pinturas coloridas, deixou-me plantada neste mundo raro.

Marta, por Madrid, um duende com olhar triste;
Um espelho para a solidão que sempre vai atrás dela.
Nunca terá 50 anos e não quer descobrir,
Que de todas as formas, custava-lhe seguir.

Gostava de voar, gosta de jogar

Marta já não diz nada, pois não há nada mais que possa dizer.
Levou minhas pinturas coloridas, deixou-me plantada neste mundo raro. (bis)

Marta já não diz nada, pois não há nada mais que possa dizer.
Levou minhas pinturas coloridas, deixou-me plantada neste mundo raro.

Marta ô Marta, Martaaa, Martaaa

O melhor quem chega la(domingão do faustão)